segunda-feira, 29 de maio de 2017

Pequenices ... sempre elas.

- "Ow, mãe! Sobe essa corda aqui que eu não consigo", disse ele, querendo subir o varal de teto. Realmente ele não alcançava. A "cordinha" para puxar estava no alto, distante uns 60cm das pequenas mãozinhas dele.

Bem maldosa que sou, disse:

- "Sai daí, nanico! Isso não é tarefa pra gente do teu tamanho."

Ele, mais maldoso ainda, responde:

- "Óbvio, né?! Sou teu filho e filho do pai. Minha textura é de gente baixa mesmo."

----------------------------------------------------------------------------

Meu Pequeno hipocondríaco estava com dor de cabeça. Não estava com febre. Havia um nariz fungando o que, na minha previsão, se trataria de uma gripezinha chegando. Então, ele me pediu um remédio pra dor de cabeça.

- "Não tem remédio só pra dor de cabeça."

- "Não?", perguntou surpreso.

- "Não."

- "Gente! Que casa é essa que não tem remédio só pra dor de cabeça?"

-------------------------------------------------------------------------------

Assistíamos a tv. Passava uma reportagem sobre depressão. Ele, então, me diz:

- "Mãe! Olha só! Não é o meu caso, não precisa te preocupar. Mas, me diz uma coisa. Criança tem depressão?"

- "Pode ter sim, filho."

Silêncio.

Então, perguntei:

- "Por que tu quer saber?"

- "Nada, não. Assim ... não sei ... é que se um dia acontecer do meu vô morrer, acho que eu vou entrar em depressão."

Então, tive que explicar pra ele a diferença entre ficar triste e entrar em depressão.

-------------------------------------------------------------------------------

Revisando os deveres, vi que ele separou a palavra "característica" de forma errada. Ele havia separado "ca-ra-cte-rís-ti-ca". Então, enfatizei o som da palavra, e fiquei falando repetidamente "carac - carac - carac".

Saí do quarto e ele, logo, começou a cantar:

- "Caraca, muleque ... caraca, muleque, caraca muleque que dia, que é isso, põe um pagodinho, só pra relaxar ... carac, carac, carac muleque ..."

---------------------------------------------------------------------------------

A dor de cabeça seguiu. Apareceu, também, uma febrezinha. Havíamos acordado cedo para ir pro curso de Inglês, mas achei melhor deixá-lo em casa.

Então, ele pediu se podia ficar no sofá assistindo tv. Disse que, talvez, não fosse uma boa idéia, já que ele estava com dor de cabeça. Era melhor ficar em silêncio, tranquilinho, relaxado.

- "Tenho uma idéia pra tv não me dar mais dor de cabeça. Fica tranquila, mãe."

Quando voltei de preparar o café na cozinha, encontro a criatura assistindo tv  assim:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixa um recadinho pra gente aqui, vai!