Mais um ciclo que se fecha.

    Uma das coisas que mais me preocupava quando decidimos nos mudar (de novo ...outra vez) de volta para a Itália era com relação ao quanto isso afetaria negativamente ao Pequeno. Sim. Porque apesar de estarmos acostumados com nossa vida meio nômade (tá bom ... nem tanto, ao menos não tanto quanto realmente gostaríamos) nem tudo é positivo sempre.

    Pequeno já havia estudado na Itália na época em que moramos em Roma. Mas iniciou a estudar mesmo (quando o negócio começa pra valer) no Brasil. Lá ele foi alfabetizado e fez toda a primeira parte do ensino fundamental (Fundamental I) no Rio de Janeiro. Apesar da língua italiana ter estado sempre presente (as primeiras palavras dele foram em italiano, a comunicação diária com a família paterna - especialmente com a nonna - e a língua que o pai sempre utilizou para se comunicar com ele, era italiano) as referências de estudo, de aprendizagem, de alfabetização, haviam sido - até então - em português.

    Bom, a saga do início de estudos por aqui (tendo caído de paraquedas no meio do ano escolar) está aqui pelo blog.  Quem lembra do "mico" do primeiro dia? Quem não lembra pode reler aqui

    No segundo ano escolar as coisas prometiam ser melhores e mais tranquilas. Até que final de fevereiro veio uma pandemia e fez com que o menino se adaptasse à uma nova realidade: a já tão conhecida DAD. Sobre essa nova fase falamos aquiA Seconda Media também acabou com resultados excelentes, apesar de todos os pesares.

    E então iniciamos o último ano da Scuola Media. Mas, como assim? Último ano do fundamental? Significa que ele adiantou um ano com relação ao Brasil? Não. Acontece que o Ensino Fundamental aqui tem  um ciclo de 8 anos (um a menos que no Brasil). Porém o ciclo do Ensino Médio aqui  é de 5 anos (dois a mais se comparado com o do Brasil). Ou seja, no final, aqui se estuda um ano a mais.

    Além de ser o ano mais puxado, por ser o último, aqui eles precisam fazer algumas provas  (de avaliação pessoal e coletiva), além da tesina (uma pequena tese).

    Por conta da pandemia, algumas das provas escritas foram canceladas. Fizeram a prova Invalsi. Essa prova foi criada em 2007 e  se trata de  uma avaliação do grau de preparação dos alunos do ensino fundamental ( grau de conhecimento, modo de ensino, etc). 

Normalmente no final do ano escolar eles fazem outras provas (esame di terza media) mas no ano passado e neste ano, se livraram das provas escritas  e fizeram somente a prova oral (tesina).

[Atenção! Estou relatando a realidade do Pequeno, na escola que ele frequentou. Não sei dizer se nas outras escolas funcionou da mesma maneira.]

    A tesina consiste em escolher um tema, desenvolver o argumento, tentar ligá-lo ao maior numero de disciplinas possíveis e apresentá-lo oralmente e com apresentação em Power Point durante um tempo determinado. No caso da turma do Pequeno o tempo era de 30 minutos de apresentação para uma comissão (que costuma ser externa à escola mas nestes dois últimos anos a comissão foi interna - todos os professores deles estavam presentes, de todas as disciplinas).

    Para muitos colegas foi um desespero argumentar, apresentar e falar durante 30 minutos. O problema do Pequeno foi justamente o contrário: 30 minutos era pouco tempo para meu tagarela.

    Ele também poderia ter escolhido qualquer tema para apresentar. Alguns dos temas escolhidos pelos colegas: Ferrari, Titanic (o filme), anime, cantor famoso, etc. Minha criatura escolheu como tema: Dante e a Liberdade. Dante, nada mais nada menos do que um dos maiores poetas italianos e um dos pais da língua italiana. E a liberdade, 'teminha' bem simples de argumentar. Além disso juntar esse tema com disciplinas como Inglês, Matemática, Espanhol, Ciências ... "bem facinho", né?!

    O tema foi escolhido por sua conta e risco. Eu e o pai dele até demos alguns palpites de possíveis temas. Mas, nada feito. Ele queria falar sobre isso. E sobre isso falou. Não teve pai, mãe, professor e nem Santo capaz de fazer o menino mudar de ideia.

    Fez um trabalho duro de pesquisa. Incrível como ele se esforça com o que realmente o importa (eu sei que com quase todo mundo funciona assim, mas Pequeno vai além com temas de seu interesse e faz pouco caso - leia-se menos esforço - com o que não é de seu interesse). Óbvio que contou com a ajuda dos professores, que deram quinhentos mil pitacos (alguns o tiraram do sério!) e foram orientando de acordo com o que ele ia sugerindo, mas eu e o marido só entramos em jogo no final, quando já estava tudo feito, inclusive a apresentação, e somente precisava cronometrar o tempo de exposição.

   Lembra que era um tempo de 30 minutos? Pois bem. Eu e marido viramos figurantes de participantes da comissão e ficamos responsáveis por cronometrar o tempo. No primeiro teste de cronômetro deu uns 45 minutos ... para desespero do Pequeno. Depois disso foram umas quantas noites de novos testes com o relógio. Fiquei sabendo de cor e salteado cada detalhe da apresentação e, pra ser bem sincera, no final não aguentava mais ouvir falar do Dante. Ignorância (minha) à parte, aprendi muita coisa com Pequeno e seu tema.

    Acabou que chegou o dia da apresentação e entre tanta lábia do Pequeno e muita curiosidade por parte dos profe's a apresentação da criatura demorou 1 hora (e eu e o pai dele sentados esperando-o fora da escola - aquele apoio psicológico que para ele nem era necessário mas para nós era importante).

    Bom, isso foi lá pela primeira semana de junho. O resultado final saiu semana passada. Pequeno tirou 10 (dez!!!) -  (sentiram meu tom de orgulho?) - e ficou com uma média geral final de curso de 9.

    Fazia tempo que queria postar sobre essa função de final de curso escolar. Por muitos motivos mas, sobretudo, porque nosso blog é meu registro - minha herança de vida pra ele, como costumo dizer - e, apesar da preguiça e falta de ânimo que vem prevalecendo, queria deixar registrado aqui esse momento vivido por ele. Para que, num furturo, quem sabe, quando ele 'se reler' por aqui e estiver num momento meio pra baixo, de incógnitas ou medos, lembre do quanto ele foi forte, capaz e do quanto se empenhou.

    Que lembre da loucura que foi mudar de país, chegar no meio de um ano escolar (super puxado e diferente do que ele estava acostumado) e 2 anos e meio depois acabar esse ciclo com uma nota final de 9 de média. E do quanto ele arrasou falando sobre Dante - que ousado que você foi, meu filho!

    Então ... se algum dia você esquecer, faço questão de deixar aqui registrado para te lembrar de que esforço, empenho, metas e sonhos valem a pena. E de que, se você estiver certo do que realmente deseja, que ninguém te faça mudar de ideia e que sigas em frente, com o teu objetivo sempre em mente.

    Eu e seu pai estaremos sempre prontos para te ajudar no que for preciso, te dar o apoio (e as críticas e puxões de orelha também) necessários. Mas, sobretudo, assim como ficamos durante 1 hora debaixo do sol sentados na rua, estaremos torcendo pelo teu sucesso e prontos para celebrar cada uma das tuas conquistas. Que, tenho certeza, serão muitas!

    Parabéns, meu Pequeno! Agora vem o tão temido Liceo Classico ... mas sobre isso, falo um pouquinho mais pra frente :)


ultima foto na escola


 

3 comentários:

  1. Morro de orgulho de novo e de novo e de novo e de novo!!! O Nicolinha é incrível, um mix perfeito de inteligência e sensibilidade! A dinda aqui, mesmo à distância, se emociona a cada conquista dele. E virão muitas mais! Esse é só o início! Haja coração!!!
    Amo vocês! Vocês são pais incríveis para um filho incrível! <3
    Parabéns para ele e para vocês também!

    ResponderExcluir
  2. Eu não tinha dúvidas de que seria um sucesso!!!! Esse Nicolinha é demais 👏👏👏👏 Parabéns pra ele e parabéns pra vcs pelo filho e ser humano que vcs estão presenteando pro mundo🤩🤩🤩

    ResponderExcluir
  3. Não encontro palavra melhor do que ORGULHO para expressar o que estou sentindo!
    Parabéns ao querido Nicolinha e parabéns ao Nicolão e à Tati. De uma certa forma, e totalmente sem intenção, a comissão também acaba avaliando uma certa dose de desempenho familiar (orientação, apoio, comprometimento, amor ...).
    O resultado não me surpreende, mas me orgulha muito!
    Valeu, família! Beijos. Amo vocês.

    Tio Beto_61

    ResponderExcluir

Deixa um recadinho pra gente aqui, vai!

Os 14 anos do Pequeno.

 Há meses Pequeno iniciou os planos para celebrar seus 14 anos.  (SO-COR-RO! 14 ANOS!) - " Não precisa de presente! Bem, quer dizer ......